UMA BALEIA NA MONTANHA

  Mariana Lacerda e Peter Pál Pelbart

T ítulo: Uma baleia na montanha 

Autor: Mariana Lacerda e Peter Pál Pelbart


Ano 2021 | 1º edição


Projeto gráfico da coleção/capa:  Joana Amador /Rivane Neuenschwander


N˚ de páginas: 288p

dimensões : 21cm X 14 cm 

ISBN: 978-65-86941-32-6

Preço de capa: R$ 87,00  




Sobre o livro

(...)  Às vezes parece mar, a montanha. Às vezes a noite parece monta-nha. O mar. A mar. O manhã. A manhã. Mar e manhã não têm sexo. Talvez por isso os tememos. Ou talvez por isso os desejamos.

(...) O coração é uma bolsa onde cabem mar e manhã. O problema não é como enfiar mar e montanha no peito, mas entender que o coração é isso, uma bolsa para guardar mar e montanha.” (Subcomandante Marcos) (…)  


(...) E vi que a rebeldia, que a resistência, que a luta, é também uma festa, embora às vezes não haja música nem dança e só haja a labuta dos trabalhos, da preparação, da resistência. E vi que onde antes só se podia morrer, por ser indígena, por ser pobre, por ser mulher, construíamos em coletivo outro caminho de vida: a liberdade, nossa liberdade. (Mulheres zapatistas) (...)


  (...) “Porque o homem que sabe olhar pro próprio coração não vê a força do leão, vê a força do seu coração e então olha pro leão, e o leão olha pro homem que olha pra ele, e o leão vê, no olhar do homem, que é apenas um leão, e o leão se vê como ele o vê, então fica com medo e corre.” (“Relatos do Velho Antonio”; Subcomandante Marcos) (...) 


 

Sobre os autores

Mariana Lacerda, nascida no Recife , artista visual. Trabalha com pesquisa e escrita de roteiros de filmes e edição de livros. Dirigiu alguns filmes curtos e longos, para o cinema e também televisão. Entre seus trabalhos mais recentes estão O sopro dos Xapiri (com Isabella Guimarães e Gisela Motta, para o Instituto Socioambiental e Hutukara Associação Yanomami) e os filmes Gyuri; e Nosso amor vai embora (ao lado de Claudia Priscilla); além da série infantil para tv Histórias de fantasmas verdadeiros para crianças (2021, em finalização). Autora do livro Olinda , ao lado de Joana Amador..


Peter Pál Pelbart é professor titular de filosofia na PUC-SP. Publicou O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento e Ensaios do assombro, entre outros. Traduziu várias obras de Gilles Deleuze. Trabalhou num Hospital-Dia por 20 anos, mas foi como membro da Cia Teatral Ueinzz, existente desde 1997, e como coeditor da n-1 edições, que agora completa 10 anos, que tem vivido os projetos coletivos mais intensos.


Rivane Neuenschwander, nascida em Belo Horizonte, vive e trabalha em São Paulo. A artista aborda temas como memória, desejo, sexualidade, política e violência em trabalhos que convocam a participação do outro, seja no desenvolvimento, seja na formalização de ideias. Questões relativas à linguagem permeiam obras que se apropriam de calendários, mapas, bandeiras, alfabetos e mesmo a comunicação não verbal. Desde 2013, em workshops de criação, ela pesquisa os medos de crianças, tanto em suas variantes psicanalíticas como também o medo enquanto afeto fundamental, índice de manipulação política e social. Sua obra faz a mediação entre o íntimo e o público, o autoral e o coletivo.