SALTO NO ESCURO    

Tuca vieira


 


Título Salto no Escuro

Autor Tuca Vieira

Ano 2021 | 1º edição

N˚ de páginas 314

Dimensões 21 x 14cm

ISBN 978-65-86941-30-2

Preço de capa R$ 69,90



Sobre o livro

 

(...) É como se o mundo tivesse dado um impulso a si mesmo sem que o homem pudesse acompanhar as mudanças decorrentes desse movimento violento. Em outras palavras, fomos ultrapassados por nossas próprias criações e corremos o risco de perder o controle sobre elas. Criou-se uma distância, um espaço entre nossa experiência atada às limitações humanas e a realidade imposta por uma vida velocíssima a serviço de um progresso duvidoso. Ao projetar nosso corpo sobre esse espaço regido por uma lógica mecânica e artificial, entramos numa disputa na qual já partimos como perdedores, dando um salto no escuro que, como tal, pode terminar em tragédia. (...)





(...) Em que lugar estamos? O mundo nunca foi tão bem mapeado quanto hoje, seja pelas imagens de satélite, cada vez mais nítidas e extensivas, seja pelas infinitas fotos feitas pelas pessoas comuns com seus smartphones. E, no entanto, jamais nos sentimos tão incapazes de realmente mapear nossa posição  — individual e coletiva — em meio a um capitalismo global, financeirizado, e digitalmente conectado. Um todo irrepresentável, no qual estamos cada vez mais imersos, e, portanto, destituídos de qualquer distância crítica capaz de restaurar um sentido fenomenológico de orientação.

Tuca Vieira sabe muito bem que ler e mapear são condições essenciais para nos tirar da alienação, conduzindo-nos a alguma ação propositiva. Voltando suas lentes para um espectro amplo da cultura moderna e contemporânea, que inclui a literatura, o cinema, as artes plásticas, o urbanismo, as histórias em quadrinhos e os jogos eletrônicos, ele monta um rico caleidoscópio teórico capaz de envenenar o ideológico otimismo com o ciberespaço através da ótica distópica do cyperpunk. Em contraste com a crescente abstração das relações, à qual correspondem as fotos aéreas, o autor reelabora o lugar da experiência ao rés-do-chão como uma prática artística de resistência.

Como construir pontes entre olhares e escalas tão incomensuravelmente distantes e distintas? Esse salto no escuro é o grande desafio que temos pela frente.

Guilherme Wisnik


Sobre o autor



TUCA VIEIRA
  é fotógrafo, jornalista, pesquisador e artista visual. Com graduação em Letras (FFLCH-USP, 1998) e mestrado em Arquitetura e Urbanismo (FAU-USP, 2018), tem como eixo central de trabalho a cidade e suas representações. Trabalha como fotógrafo profissional desde 1991, tendo atuado no jornal Folha de S. Paulo, onde realizou centenas de reportagens, sobretudo na capital paulista. É desta época a fotografia intitulada Paraisópolis (2004), uma das mais conhecidas imagens do Brasil contemporâneo, que se tornou símbolo da desigualdade social ao redor do mundo. É também autor do Atlas Fotográfico da cidade de São Paulo e seus arredores – uma série de 203 fotografias em grande formato, numa tentativa exaustiva de representação da maior cidade brasileira. Atualmente desenvolve o projeto Hipercidades, que pretende percorrer as 30 cidades do mundo com mais de 10 milhões de habitantes.