LUCIO COSTA ERA RACISTA? 
Notas sobre raça colonialismo e a arquitetura moderna brasileira.

Paulo Tavares

 



Título  Lucio costa era racista? -
Notas sobre raça colonialismo e a arquitetura moderna brasileira.

Autor  Paulo Tavares
Posfácio Roberto Conduru
Quarta capa Ana flávia Magalhães Pinto
Projeto gráfico Paulo Tavares

Ano  2022 | 1ª edição

Nº de páginas  128

Dimensões  14 x 19 cm 

ISBN 978-65-86941-76-0

 




Neste ensaio Paulo Tavares interroga a obra teórica de Lucio Costa, autor do plano piloto de Brasília e influente interprete da formação nacional, para questionar os fundamentos racializados e coloniais da arquitetura moderna brasileira. Um dos principais artificies do modernismo nacional, o pensamento de Lucio Costa é marcado pela presença da questão racial e do colonialismo como articuladores da visão de modernidade e tradição que propõe. Ao refletir sobre este legado criticamente, o ensaio apresenta uma série de colagens que mostram como tais fundamentos se manifestavam não apenas como discurso, mas também através da arquitetura enquanto projeto e mídia. O livro conta com o posfácio Interrogação Necessária de Roberto Conduru, e quarta capa de Ana Flávia Magalhães Pinto.

Este ensaio inaugura o selo espaço autônoma, série de publicações sobre arquitetura e cidades da N-1 edições. Lucio Costa era racista? é o número zero desta nova coleção que se propõe a entender o espaço contemporâneo, suas histórias e conflitos através de uma perspectiva em direção ao decolonial.

 

 

Sobre o autor


Paulo Tavares

Arquiteto, autor e curador. Seus projetos e textos foram publicados e exibidos em diferentes contextos, incluindo Zum, Arquine, Harvard Design Magazine, Bienal de São Paulo, Bienal de Design de Istanbul, e Trienal de Arquitetura de Oslo. Tavares é autor dos livros Forest Law (2014), Memória da Terra (2020) e Des-Habitat (2020), e foi co-curador da Bienal de Arquitetura de Chicago 2019.