ABEBE - CAIXA PRETAS

Série de cordéis

Título Abebe - Caixa Pretas

Autoras aBIGAIL Campos Leal / Anne Caroline Quiangala / Cidinha da Silva / Jaqueline Gomes de Jesus / Linn da Quebrada /  Pedra Homen / tatiana nascimento / Yuderkys Espinosa Miñoso 

Ano 2020 | 1ª edição

Conteúdo 9 cordéis  

Dimensões 11x16cm 

ISBN 978-65-86941-2-10

Preço de capa R$ 80,00

 

 



Sobre autoras

aBIGAIL CAMPOS LEAL
, movimento meu pensar y minha criação artís- tica através da poesia y filosofia. atualmente faço doutorado em Filosofia pela PUC-SP. componho a organização do Slam Marginália. de inúmeras formas, às vezes singelas, luto pela desfeitura radical desse mundo colonial que tem que acabar. y tento fazer vibrar em mim, no meu espírito, nas minhas pelancas, esse m que chega y anuncia a transmutação.  escrevo , nem sempre com as mãos, para fazer brotar a  diferença  esfacelada y para mundar o mundo (em m/im)
             

ANNE CAROLINE QUIANGALA , Idealizadora do Preta, Nerd & Burning Hell, doutoranda e mestra em literatura pela Universidade de Brasília e pesquisadora em áreas como Gótico Femi- 27 nino, Representação de Mulheres Negras nos Quadrinhos e Feminismo Nerd.

Cidinha da Silva  é prosadora e editora. Tem dezesseis livros autorais de lite- ratura publicados, entre eles: Um Exu em Nova York (contos, 2018); # Parem de nos matar! (crônicas, 2019, 2a edição) e a série Melhores crônicas de Cidinha da Silva (volumes 1, 2 e 3, 2019). Tem textos publicados em catalão, espanhol, francês, inglês e italiano. Seus livros estão disponíveis no site da

 Kuanza Produções: www.kuanzaproducoes.com.br .

Yuderkys Espinosa Miñoso  Escritora, pesquisadora e docente afro- caribenha. Uma das precursoras do feminismo decolonial, sua contribuição aponta a uma crítica da razão feminista eurocentrada. Fundadora do Grupo Latinoamericano de Estudios, Formación y Acción Feminista (GLEFAS) e autora de vários ensaios e artigos acadêmicos, também editou vários livros multiautoria. Foi traduzida para inglês, francês, alemão, italiano e português. Alguns de seus trabalhos mais conhecidos são Escritos de una lesbiana os- cura, El futuro ya fue..., Hacer genalogía de la experiencia... e o volume de

 poemas Laquevuelve.

Linn da Quebrada  é uma multi-artista brasileira. Além do elogiado disco Pajubá (2017), Linn é apresentadora de um talk-show e também atua no cinema e na TV. Travesti e "artivista", Linn tem alcançado e conquistado territórios em outros países e continentes, para além do Brasil, com uma

51 arte combativa, que disputa espaços, narrativas e imaginários.

 

tatiana nascimento , 39, brasiliense, é palavreira. publica livros arte- sanais negros LBTQIs pela padê (que não é cocaína) editorial. idealizou y ministra a formação "privilégio branco é racismo". idealizadora y cofunda- dora do primeiro slam exclusivo para mulheres & lésbicas do brasil, o slam das minas de brasília/DF. criadora do portal www.literatura.lgbt

poesia: esboço (2016); lundu (2016); mil994 (2018); 07 notas sobre o apocalipse (2019); Oriki de amor selvagem - todos os poemas de amor preto (ou quase) (2020). ensaios: cuírlombismo literário: poesia negra lgbtqi desorbitando o paradigma da dor (2019); leve sua culpa branca pra terapia (2019); um sopro de vida no meio da morte (2019).

 @branquietude | @tatiananascivento

JAQUELINE GOMES DE JESUS  Vinda de uma família negra de Ceilândia, periferia de Brasília, sou filha de uma professora mineira e de um operador de computadores sergipano. Tenho um irmão mais novo. Hoje, aos 42 anos, moro no Rio de Janeiro, sou professora de Psicologia do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) campus Belford Roxo, na Baixada Fluminense, e docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino de História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Sou doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela Uni- versidade de Brasília (UnB), com pós-doutorado pela Escola Superior de Ciên- cias Sociais da Fundação Getúlio Vargas (CPDOC/FGV). Pesquisadora-líder do ODARA – Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Cultura, Identidade e Diversidade, investigo, leciono e publico nas áreas de saúde do trabalhador, gestão da diversi- dade, trabalho, identidade social e movimentos sociais, com ênfase em gênero e feminismo, orientação sexual e cor/raça, tendo várias publicações, entre artigos e livros, 

Pedra Homem  é Jimbanda multi-artista, natural de Salvador (BA), Mestrie em Artes pela UNESP y Graduade em Licenciatura em Letras pela UNIJORGE. É poeta, cantautore, compositore, escritore, professore, performer y pro- dutore independente. Desde 2014, pedra fabula a si friccionando vida y obra, corpe artístico y docente em aulas, versos, prosas, performances, canções, rolés y videoclipes de forró. Para acompanhar processos y lampe- jos da Pedra Homem, siga @pedrahomemoficial no instagram, se inscreva no canal “Pedra Homem” no Youtube y curta as páginas “Pedra Homem” y “Diário Escolar de Pedra Homem” no facebook.